ALUNOS CRIAM SEUS VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO PARA AMPLIAR PARTICIPAÇÃO E CIDADANIA

Decorre nas Escolas Primária do Alto Maé e Secundária Francisco Manyanga na Cidade de Maputo o projecto de Educomunicação orientado aos alunos por estudantes do curso de Jornalismo da Universidade Eduardo Mondlane e coordenado pelo professor Toni André Scharlau Vieira. O projecto visa capacitar os alunos para terem uma visão crítica dos meios de comunicação social e proporcionar a produção dos seus próprios veículos de comunicação para elevar a participação, conhecimentos e cidadania.

Segundo o professor Toni André Scharlau Vieira (que é brasileiro e leciona na Universidade Federal do Paraná, UFPR), o projecto está na sua fase inicial, mas o objectivo é alargar para outras escolas da Cidade e do País. Por seu turno,Antonino Alberto Grachane, director da Educação e Cultura da Cidade de Maputo elogiou o projecto no encontro decorrido entre estes. “Vamos fazer esforços para ampliar essa iniciativa”, completou o director.

Na sequência deste projecto os alunos já produziram jornais com conteúdos relativos a experiências que vivem na escola. Em função da idade os alunos da Escola Primária do Alto Maé estão produzindo apenas um jornal mural, enquanto os da Manyanga atuam com rádio, televisão e jornal. Ainda no mês de Agosto eles deverão produzir mais materiais. Aguarda-se uma apresentação no auditório da Manyanga quando tudo estiver pronto.

O projecto é fruto de uma acção conjunta da UFPR com a UEM. O professor Doutor João Miguel, director da Escola de Comunicações e Artes da UEM é pesquisador e tem incentivado as atividades que são desenvolvidas pelo recém-criado projecto de Extensão Universitária chamado Núcleo de Educação e Comunicação Social (NECS). “A ECA está ampliando sua participação na vida da sociedade moçambicana e isso é muito louvável”.

O director da Educação e Cultura da Cidade de Maputo, Antonino Alberto Grachane, destacou a parceria com a ECA/UEM e prometeu incluir esse tipo de trabalho no planificação da Direcção para os próximos anos. “Escola e cidadania devem estar sempre juntas e os meios de comunicação são fundamentais para que isso continue a acontecer”, encerrou o director.​