Entrevista Especial Sua Excelência Conceita Ernesto Xavier Sortane Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano de Moçambique
Imagem da Notícia

​Perfil 

Mestre em Educação e Currículo pela Pontifício, Universidade Católica de São Paulo, no Brasil. Desde 1993, Docente na Universidade A Politécnica e na Universidade Pedagógica. A partir de 1994 exerceu a função de deputada da Assembleia da República pela Bancada Parlamentar da FRELIMO, assumindo várias responsabilidades e desde 2015 preside a Comissão de Assuntos Socais, Género, Tecnologias e Comunicação Social. Desde finais de 2016 assume a pasta do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano.

1. Uma Educação de Qualidade para todos integra os 17 Objectivos Globais para o Desenvolvimento Sustentável. Na sua perspetiva, como é que define a importância da Educação para o desenvolvimento sustentável de uma Nação? Entendemos a Educação para o Desenvolvimento Sustentável de uma Nação como aquela através da qual, a acção formativa visa o presente, mas também o futuro, garantindo a continuidade das gerações vindouras. Para o caso de Moçambique, significa que os ensinamentos veiculados na educação devem privilegiar a manutenção do Estado nação, o reforço do Patriotismo, da Unidade Nacional, do amor ao próximo do sentimento de solidariedade entre os cidadãos. Para que a Educação se transforme num factor de desenvolvimento sustentável da nação é fundamental a difusão da cultura de trabalho, que deve ser apropriada por todos. Por essa razão o trabalho afigura-se como um princípio educativo basilar no nosso sistema, onde ele é estimulado como meio de aprendizagem e em alguns casos como meio de sustento do próprio aluno. O trabalho deverá ser encarado como factor de produção de bens materiais importante para a existência humana, mas também fundamental para a vida e para a geração de novos conhecimentos. A implementação de uma educação de qualidade impulsiona transformações positivas no dia-adia de uma nação, mas também no seu próprio crescimento social, económico e cultural.

2. Na última década Moçambique tem vivido um progresso impressionante. Partilhe alguns dos projetos de investimento feitos na área da Educação e em que medida a tecnologia integra o desenho destes projetos. A educação desempenha um papel fundamental na redução da pobreza, na melhoria das condições de saúde e no crescimento económico sustentável. Considerando o princípio, reiterado pelo Chefe do Estado, de que o Homem é o centro da nossa Governação, a oferta de serviços na área de educação é abrangente aos jovens e adultos, através de programas de Alfabetização e Educação de Adultos, que tem contribuído para a preparação do capital humano, combinando o desenvolvimento de habilidades básicas de leitura, escrita e cálculo, mas também de ensinamentos práticos para a vida do dia-a-dia. Com efeito, actualmente é notória a aderência de mais mulheres nas campanhas da saúde do controlo hospitalar pré-natal e de vacinação de crianças. 

Na educação, cada vez mais crianças ingressam na escola aos seis anos de idade e seus pais participam como membros dos Conselhos de Escola, dinamizando e colaborando na governação democrática das escolas. Registamos a participação de mais de 60% de mulheres nos programas de Alfabetização e Educação de Adultos.

3. Quais são as grandes vantagens de integrar a Tecnologia no Sistema Educativo de um País? O caminho é longo. Em pleno século XXI a Tecnologia desempenha um papel determinante para a transformação da Educação. Além disso, a Tecnologia tem um potencial enorme para tornar acessível a Educação a todas as crianças. A integração da Tecnologia no Sistema Educativo do nosso País promove a educação, a formação e a vivência em comunidade. A Tecnologia tem um papel melhorar a equidade do género, ao nível da igualdade de oportunidades, 
para meninos e meninas, inclusão do acesso de crianças com necessidades educativas especiais nas zonas rurais e urbanas em qualquer lugar de Moçambique. Temos um Plano Tecnológico Educativo a ser implementado a médio e longo prazo. Este Plano assenta em três pilares fundamentais: infraestructuras, tecnologia e formação de professores. A referência às infraestructuras significa a construção de novas salas de aula baseadas em princípios de conectividade. E quando referenciamos tecnologia, pretendemos realçar o apetrechamento em equipamentos para alunos e professores, produção de conteúdos e sua disseminação na sala de aula. 
Uma das nossas prioridades é elevar a qualidade da educação, reduzir a taxa de absentismo e abandono escolar. Consideramos que a Tecnologia pode ter um papel importante, permitindo a melhoria do ambiente de aprendizagem na sala de aula, facilitando a retenção dos alunos na escola e diminuindo o absentismo dos professores. Temos uma população de mais de 27 milhões de habitantes com assimetrias de oportunidades entre o litoral e o meio rural. O nosso objectivo é um Plano Tecnológico Educativo transformador, capaz de renovar o nosso Sistema Educativo - o grande motor de desenvolvimento humano - garantindo que todos os filhos desta nação têm as mesmas oportunidades. É fundamental investir na construção de salas de aula condignas com mobiliário escolar, com tecnologia, garantindo a conectividade principalmente nas áreas rurais de modo a que as crianças não precisem de percorrer grandes distâncias para ter acesso a continuação dos seus estudos, rumo “a uma escola inclusiva que garanta a aprendizagem efectiva”. ​