Responsabilidade dos intervenientes no processo educativo é a chave do sucesso
Imagem da Notícia

A Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano, Carmelita Namashulua defendeu a responsabilidade de cada interveniente no processo educativo, nos termos do Estatuto Geral dos Funcionários e Agentes do Estado, como chave do sucesso do sector, durante o encerramento do Iº Conselho Coordenador do quinquénio 2020-2024, que teve lugar em Maputo, de 25 à 27 de Novembro último. 

Durante o encerramento, a Ministra instou aos directores provinciais e gestores escolares para que no exercício das suas funções estejam em estreita articulação com as comunidades locais, pais e encarregados de educação, de modo a que nenhuma criança em idade escolar fique de fora. Acrescentou ainda a necessidade de garantir que todos os alunos matriculados, especialmente a rapariga e os alunos com Necessidades Educativas Especiais, permaneçam no sistema educativo até à conclusão do ensino básico.

Dando réplica às afirmações do Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi, aquando da realização dos seminários dos Directores das Escolas Secundárias de 2016 e 2020, em Maputo, a Ministra vincou que “a gestão deve incorporar a planificação, implementação, monitoria e avaliação para a melhoria do desempenho das instituições de ensino”. e reiterou que “um gestor deve ser um indivíduo com conhecimento, visão, atitude, comunicação, liderança, disciplina, paciência, criatividade, pragmatismo, rigor e humanidade”.